_ TELEFONE: (41) 99685-0693_____________ _E-MAIL: CONTATO@BRUTUSST.COM.BR

Pesquisa ainda aponta que, no Brasil, 19% dos homens acreditam na inferioridade feminina.

As mulheres ainda sofrem no cotidiano. Se, cultural e socialmente, houve recentes avanços com a conquista de deveres cívicos, como o voto e uma legislação mais protetiva em casos de agressão e assédio, por outro lado, ainda existe um abismo nas questões profissionais.

É estranho ainda falarmos isso em pleno século XXI, mas sim, mulheres ainda ganham menos e possuem menos oportunidades para liderarem que os homens. Nosso blog te mostra a realidade, a seguir.

Um estudo da Ipsos ouviu pessoas de 24 países para elaborar o relatório Global Advisor, focado nos temas do feminismo e igualdade de gênero. E os resultados são surpreendentes e alarmantes:

  • 41% das entrevistadas no País confessaram ter medo de se expressar e de lutar pelos seus direitos (número bem acima da média global que é de 26%);
  • No Brasil, 19% dos homens acreditam na inferioridade feminina — e algumas mulheres concordam com eles (14%);
  • Na média, o percentual geral (homens e mulheres) que concordaram com a questão da inferioridade feminina foi 16%, no Brasil – no mundo, essa fatia foi de 18%;
  • Entre os entrevistados pela pesquisa em todo o mundo, 17% disseram que a mulher não deveria trabalhar fora de casa para poder cuidar unicamente da casa e da família. No Brasil, o índice de pessoas que aprovam essa ideia foi um pouco menor: 15%.

Apesar de dados que refletem o preconceito contra as mulheres, a maioria dos entrevistados no mundo todo é consciente sobre a desigualdade existente entre os dois sexos.

Globalmente, 72% dos entrevistados disseram que existe desigualdade em termos de direitos sociais, políticos e econômicos para as mulheres. No Brasil, a diferença é percebida por 78% das pessoas.

A pesquisa da Ipsos foi realizada de 20 de janeiro e 3 de fevereiro de 2017 e ouviu 17.551 pessoas de 18 a 64 anos, em 24 países.

Mercado de trabalho

A equidade no mercado de trabalho ainda está longe de ser a ideal. Uma pesquisa realizada pela Câmara Americana de Comércio (Amcham), ouviu 350 executivos (homens e mulheres) de empresas no Brasil e concluiu que 76% das companhias ainda não tratam funcionários e funcionárias com as mesmas condições. Para 80% dos entrevistados, o sinal mais claro dessa desigualdade é a baixa presença de mulheres em cargos de liderança.

Veja outros dados da pesquisa:

  • 47% dos gestores acreditam que igualar os salários deve ser a maneira mais correta de promover equidade de gênero;
  • Para 86%, o papel cultural de chefe de lar faz com que muitas mulheres abandonem a carreira por não conseguirem conciliar as duas tarefas;
  • 52% dos entrevistados declararam não ter, em suas empresas, programas formais de valorização feminina e de combate à desigualdade de gênero.

Nações Unidas: objetivo de alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas

Como falamos anteriormente, aqui no Blog da Brutus, houve uma oportunidade histórica entre países e a população global para ligar o alerta e decidir o que os moradores desse planeta querem do futuro. Isso se refletiu nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que se baseiam nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM).

Em setembro de 2015, durante a Cúpula de Desenvolvimento Sustentável, foi discutida na Assembleia Geral da ONU, novos objetivos relacionados à equidade de gênero no mundo para serem atingidos até 2030.

Veja quais são os objetivos sobre o tema equidade de gênero, segundo o site oficial das Nações Unidas:

Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas:

5.1 Acabar com todas as formas de discriminação contra todas as mulheres e meninas em toda parte;
5.2 Eliminar todas as formas de violência contra todas as mulheres e meninas nas esferas públicas e privadas, incluindo o tráfico e exploração sexual e de outros tipos;
5.3 Eliminar todas as práticas nocivas, como os casamentos prematuros, forçados e de crianças e mutilações genitais femininas;
5.4 Reconhecer e valorizar o trabalho de assistência e doméstico não remunerado, por meio da disponibilização de serviços públicos, infraestrutura e políticas de proteção social, bem como a promoção da responsabilidade compartilhada dentro do lar e da família, conforme os contextos nacionais;
5.5 Garantir a participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades para a liderança em todos os níveis de tomada de decisão na vida política, econômica e pública;
5.6 Assegurar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva e os direitos reprodutivos, como acordado em conformidade com o Programa de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento e com a Plataforma de Ação de Pequim e os documentos resultantes de suas conferências de revisão;
5.a Realizar reformas para dar às mulheres direitos iguais aos recursos econômicos, bem como o acesso a propriedade e controle sobre a terra e outras formas de propriedade, serviços financeiros, herança e os recursos naturais, de acordo com as leis nacionais;
5.b Aumentar o uso de tecnologias de base, em particular as tecnologias de informação e comunicação, para promover o empoderamento das mulheres;
5.c Adotar e fortalecer políticas sólidas e legislação aplicável para a promoção da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas em todos os níveis;

A Brutus apoia a Igualdade de gênero

A Brutus Sustainable Transport acredita que as empresas precisam de fornecedores de transportes rodoviário que acompanhem suas necessidades e seu desenvolvimento. A empresa oferece uma ferramenta eficiente, inovadora e sustentável. Os sistemas da Brutus vão ao encontro de vários dos objetivos dessa agenda estabelecida pelas Nações Unidas. Uma dela é relacionada com a Equidade de Gênero.

É objetivo da empresa apoiar ações que visam alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres dentro do programa e solução em transporte rodoviário. Isso desde a parte administrativa (a alta gerência) até a operacional (mulheres caminhoneiras e ajudantes). Elas vão receber nosso incentivo, direito de igualdade.

Com informações: Meio & Mensagem.

Deixe uma resposta

Fechar Menu
× Fale conosco!